+55 (51) 3061.0877

bliss@blissestrategia.com.br

Continue conectado

Post do blog

Quando terceirizar um serviço?

15 maio 2019 | in Artigo | by Suzana Bierhals

Existem muitos mitos e fantasmas ao redor do tema terceirização. Não vamos falar deles aqui. Este artigo foi criado com um único objetivo: orientar aqueles empreendedores que ainda estão em dúvida se a terceirização é um bom negócio para o momento atual da sua empresa.

Nossos guias aqui são a gestão de talentos e a cultura da produtividade. Essas duas diretrizes nos ajudam a estabelecer um critério para a implantação de investimentos nos nossos negócios fiel ao que necessitamos.

Agora, vamos ao ponto principal: quando terceirizar?

Descompasso entre custos e controle de processos

Conhecemos os nossos negócios e sabemos quando há uma discrepância entre os investimentos e a qualidade dos processos que resultam nas entregas. Se você percebe que está entregando menos do que pode, ou mesmo não obtendo resultado com sua formação atual, cheque a sua estrutura e persiga as melhorias necessárias para o desenvolvimento que você espera.

Eficiência e custo são palavras que não podem sair do foco dos empreendedores. A terceirização é uma medida cabível quando representa redução de gastos e otimização de produtividade. “Se a sua empresa entrega mais com menos recursos, sobra tempo e energia para investir em novos projetos e melhorias para a qualidade do trabalho de todos”, salienta a CEO da BLISS Estratégia, Suzana Bierhals.

Qualidade na entrega principal

É possível encontrar muitos textos que digam que terceirizar atividades ligadas à sua entrega principal são um tiro no pé. Acontece que, assim como em inúmeras situações, podemos encontrar exceções: um amigo estava produzindo um evento e seu designer não conseguia dar conta de suas rotinas e da produção da identidade do projeto, tido como uma das principais estratégias para encantar clientes e não-clientes.

A proposta foi realizada em um alinhamento com a equipe. Todos concordaram e participaram do processo de escolha, afinal, o profissional deveria chegar com a cultura da empresa correndo por suas veias. O talento foi encontrado, o evento foi um sucesso e, atualmente, o designer participa de outras iniciativas da empresa do amigo.

Qualidade não é moeda de troca e, quando é o seu negócio que está em jogo, não vale arriscar seus diferenciais competitivos para simplesmente dizer que realizou aquela obra. Opte pela terceirização quando há certeza de que sua cultura será mantida e seu cliente final estará igualmente, ou mais, satisfeito com a entrega.

Produtividade de talentos

O exemplo utilizado acima tem um pouco deste tópico. Se o designer CLT da empresa do amigo despendesse tempo para assumir o projeto do evento, certamente suas rotinas estariam comprometidas. Não valeria a pena abrir mão do talento do rapaz em troca de uma falsa economia.

A produtividade não pode ser restringida a mais entregas (já falamos isso neste post): produtividade é entregar o melhor que conseguimos. A terceirização oferece mais eficiência quando o seu resultado é expressado em maior produtividade não apenas para um, mas para todo o seu time.

Gostou das dicas ou quer complementar essa discussão? Utilize o espaço de comentários para contribuir nessa discussão.